Curso de arquitetura

A proposta era, no mínimo, diferente. Até arriscaria dizer – “ousada”. A fotografia goza hoje de uma legião de admiradores e entusiastas…mas fotografia de arquitetura? É um campo muito específico que conta com um público mais específico ainda. Mesmo assim, submeti a idéia aos amigos da Clarté. Reuni com Pelaes, Kunz e Gabriela, que após alguns esclarecimentos sobre a temática, o conteúdo e o caráter dos safáris fotográficos, aceitaram de pronto a idéia.

Para a minha surpresa a composição da turma seria bem maior que minha curiosidade. Aguardavam sentadas três arquitetas recém formadas ( Sofia, Tainah e Amanda, que depois ficou carinhosamente conhecida como Amanda “Restart” por conta de seu óculos vermelho-fluorescente) e uma designer (Luciana). Depois chegaram duas alunas minhas, uma de arquitetura (Amanda) e outra de design de interiores (Roseclélia). Sentou- se quietinha no canto da sala uma psicóloga (Carol) e à sua frente uma advogada (Lívia). Às 8:20, iniciamos nosso diálogo. Cinco minutos depois, abria triunfalmente a porta – tenho leve desconfiança que eles gostem deste tipo de impacto – a publicitária (Lyna) de olhos miudinhos e sorriso largo. Depois contaríamos com a companhia de uma acadêmica de psicologia (Roberta) e um acadêmico de artes visuais (Danilo). Observei o grande interesse de todos os integrantes do curso, o que me deixou bastante animado. Mas como eles se sairiam com o registro fotográfico, bem…isto ainda era uma incógnita.

Se de um lado as primeiras fotografias tenham saído tímidas, com alguns problemas de enquadramento, alinhamento e exposição, por outro mostravam um enorme potencial: os olhares eram criativos e precisos, porém a técnica do registro fotográfico ainda necessitava de alguns “ajustes”. No primeiro ensaio, o interesse e a linguagem fotográfica de cada um já era patente: A Luciana já mostrava habilidade com as fotografias em contraluz, Tainah registrava as minúcias dos detalhes arquitetônicos, Amanda “Restart” compunha as fotografias com fortes diagonais e cortes incisivos, Carol e Lina mostravam-se ligeiramente comedidas nos registros, que eram muito bem estudados, equilibrados, minuciosamente compostos e então executados. Amanda, Roseclélia e Sofia apostavam nos grandes planos de fotografia, nos grandes registros, nas amplas fachadas; Danilo, de tudo experimentava um pouquinho: detalhes, contraluz, diagonais, grandes planos…era quase um “clínico geral”. A Lívia? Bem…mais sortuda impossível! Era a única que registrava arquitetura com pássaros que só apareciam para as fotografias dela, mesmo nos registros de planos mais fechados.

Como resultado de nosso último safári, pude observar fotografias bem mais compostas e alinhadas, bem cuidadas em relação à exposição, usando de forma criativa a pequena profundidade de campo, inclusive tomando partido do bokeh como elemento compositivo! O melhor nisto tudo foi perceber que cada um já sabia reconhecer exatamente seu pendor – ou predileção – por uma linguagem específica no campo da fotografia de arquitetura. Finalizei este meu primeiro curso de fotografia ministrado na Escola Clarté na certeza plena de que fiz bons amigos, e que para estes amigos, a fotografia deixou de ser um simples enquadramento e um apertar de botão. Cada um deles conseguiu “revelar” a magia da fotografia em toda sua beleza e plenitude.

Alexandre Lima, outubro de 2012.

E com o sucesso dessa primeira turma de arquitetura, convidamos nossos alunos e a todos que tenham interesse em experimentar esse novo olhar da fotografia, a participarem conosco em mais um curso da Escola Clarté: Fotografia de Natureza. Que será ministrado agora em dezembro/2012, pelo nosso querido parceiro Alexandre Lima.:)Entre em contato conosco e faça sua inscrição, vagas limitadas.

 

Fotografia: Lyna Oikawa; Tainah Schweidzon; Lívia Font; Carolina Monteiro; Nádia Lima; Amanda Pinto; Luciana Farias.

3 comentários

Carolina Monteiro - 7 de novembro de 2012 - 18:49

As observações do Alexandre mostram o quanto ele percebeu o potencial de cada um e trabalhou em cima disso. Foi realmente um prazer, nosso olhar se aprimorou muito, hoje não consigo passar por algumas casas sem buscar os elementos aprendidos (platibanda, frontão, balaustre…) e tentar estabelecer o estilo arquitetônico :-)

Amanda Pinto - 9 de novembro de 2012 - 21:14

Esse curso foi uma experiência, sem dúvida nenhuma, muito proveitosa, creio que pra todos da turma. Foi a primeira vez que eu tive a oportunidade de fazer um curso de fotografia e confesso que a princípio fiquei um pouco receosa a respeito da qualidade das fotos que eu produziria por conta de a minha câmera ser semi-profissional, portanto com certas limitações em seus recursos. Mas o resultado foi muito satisfatório. 😀

Manu - 20 de novembro de 2012 - 21:09

Estas fotografia estão lindas!! Gostei mto!

Seu e-mail nunca será publicado ou compartilhado. Campos necessários estão marcados com *

*

*

Houve um erro ao publicar seu comentário. Por favor, tente novamente.